Destaque PrincipalVinhos

Merlot: a uva dos vinhos delicados

Para muitos, ela é a grande estrela dos vinhos tintos no Brasil

Chave dos grandes vinhos franceses de Saint-Émilion e de Pomerol, em Bordeaux, a Merlot resulta em vinhos macios, frutados, de bela cor rubi-escura e conjunto harmônico. Uva de cachos médios, pele fina e boa produtividade, é a mais cultivada na nobre região da França, tendo no Pétrus seu mais célebre representante.

No Brasil, ela se adaptou muito bem à serra e à Campanha Gaúcha. E, por ser uma uva precoce, que amadurece mais cedo do que outras tintas, se tornou uma vantagem, uma vez que repetidamente é colhida logo na sequência das uvas brancas, o que evita que enfrente parte das chuvas que ocorrem no início do ano no Brasil.

Em geral, os vinhos brasileiros de Merlot mostram muito frescor, vivacidade, aromas mais frutados, bom corpo e acidez, taninos macios. E tudo isso se comprovou com os dez brasileiros que degustamos. Chamou atenção o fato de mostrar bom potencial de envelhecimento – um dos vinhos provados é da safra de 2012; e a excelência da safra de 2018, que acaba de chegar ao mercado e se mostrou muito especial.

Continua após o anúncio
Lidio Carraro Agnus 2018
Lidio Carraro Agnus 2018 | Foto: RJ Castilho

Lidio Carraro Agnus 2018

  • Encruzilhada do Sul/Serra do Sudeste
  • R$ 69,90 | Produzido pela lidiocarraro.com.br

O nome é inspirado na expressão ‘Agnus Dei’, que significa ‘cordeiro de Deus’ em latim, e homenageia o terroir de Encruzilhada do Sul, município conhecido como a ‘Terra do Cordeiro’. As uvas, colhidas e transportadas com muito cuidado, entram nos tanques de fermentação por gravidade, sem sofrer a ação mecânica de bombeamento. Isso ajuda a preservar suas melhores qualidades.

Depois da fermentação, os vinhos dos diferentes tanques são misturados e permanecem  por mais 12 meses nos tanques até o engarrafamento. Como não é filtrado, o vinho pode apresentar alguns sedimentos, o que não atrapalha em nada sua degustação. Aromas encantadores de frutas vermelhas (lembra muito o morango e a amora preta), com toques de especiarias. No paladar, é muito equilibrado, com boa estrutura, taninos macios e a delicadeza típica da Merlot.

Don Giovanni 2017 | Foto: RJ Castilho
Don Giovanni 2017 | Foto: RJ Castilho

Don Giovanni 2017

  • Pinto Bandeira, RS
  • R$ 80 (preço médio) | dongiovanni.com.br

A pequena vinícola Don Giovanni está instalada em um pedaço muito charmoso da Serra Gaúcha e faz parte de um complexo, com pousada e restaurante. É uma das casas mais preocupadas com sustentabilidade e manejo ecológico no vinhedo, portanto, nada de fertilizantes químicos é utilizado.

Os vinhos acabam refletindo esses cuidados, esbanjando caráter, frescor e muita fruta. Caso desse Merlot, de cor brilhante, aromas de frutas frescas, que lembram morango; e leves notas de tabaco e chocolate, vindas do tempo de 12 meses que passa por barrica.

Luiz Argenta 2012 | Foto: RJ Castilho
Luiz Argenta 2012 | Foto: RJ Castilho

Luiz Argenta 2012

  • Flores da Cunha, Serra Gaúcha, RS
  • R$ 115 | vinicolaluizargenta.com.br

Em 1999, a família Argenta comprou a emblemática e histórica propriedade que pertenceu à Granja União, vinícola que marcou época no Brasil e foi uma das pioneiras na produção de bons vinhos. Localizada em Flores da Cunha, a vinícola Luiz Argenta nasceu dez anos depois, moderna e bastante funcional, opera por gravidade e busca fazer vinhos de alto padrão.

Para isso, foi convocado o competente enólogo Edegar Scortegana, pesquisador incansável e ousado na busca pelo novo e por bons resultados. Prova disso é esse Merlot, que com 8 anos de idade não só mostra que evoluiu muito bem, como continua firme, com elegância e muita fruta. Passou nove meses em barricas de carvalho francês, mas sem nenhuma madeira marcada, agregou e deixou a boa fruta, que lembra ameixa e amora, reinar soberana. Bem estruturado, com taninos macios, bom corpo e final intenso.

Aurora Reserva 2018 | Foto: RJ Castilho
Aurora Reserva 2018 | Foto: RJ Castilho

Aurora Reserva 2018

  • Bento Gonçalves, RS
  • R$ 43 | vinicolaaurora.com.br

A tradicional Cooperativa Vinícola Aurora foi criada em 1931 e é uma das empresas mais tradicionais do Brasil. Nos últimos anos, tem investido bastante em tecnologia e no estudo dos vinhedos, capacitando cada vez mais seus cooperados. Esse Merlot é um dos vinhos brasileiros mais gostosos e com excelente relação custo-benefício. Muita fruta no aroma e no paladar, taninos macios, corpo médio, conjunto harmônico, com bom final.

Boscato Gran Cave 2012 | Foto: RJ Castilho
Boscato Gran Cave 2012 | Foto: RJ Castilho

Boscato Gran Cave 2012

  • Nova Pádua, Serra Gaúcha, RS
  • R$ 115 (preço médio) | boscato.com.br

Fundada em 1983 pelos irmãos Clóvis e Valmor Boscato, a empresa sempre se preocupou com o cuidado com os vinhedos e a busca pela qualidade. Esse Merlot, cultivado em vinhedos próprios, é delicioso e muito bem estruturado para envelhecer. Com 8 anos de idade, continua mostrando muito frescor e fruta gostosa. Ficou em barricas de carvalho por 12 meses. Seus taninos são delicados, corpo médio e grande intensidade.

 

Dal Pizzol 2017 | Foto: RJ Castilho
Dal Pizzol 2017 | Foto: RJ Castilho

Dal Pizzol 2017

  • Bento Gonçalves, RS
  • R$ 70 (preço médio) | dalpizzol.com.br

A Vinícola Monte Lemos, que ficou conhecida por Dal Pizzol, foi criada em 1974 pelos irmãos Antônio e Rinaldo Dal Pizzol. Na elaboração de seus vinhos está o experiente enólogo Dirceu Scottá. Para fazer esse Merlot, ele conta com uvas de dois terroirs: 50% das uvas são da Serra Gaúcha e o restante de Bagé, na Campanha Gaúcha.

A mescla se mostra muito interessante. E o resultado é um vinho de boa cor vermelho-rubi, gostosos aromas de frutas vermelhas, bom corpo, com taninos muito bem aparados. Amadurece por um período de 12 meses nos tanques de inox, nos quais é estabilizado naturalmente, filtrado e engarrafado.

Pizzato Merlot de Merlots 2016 | Foto: RJ Castilho
Pizzato Merlot de Merlots 2016 | Foto: RJ Castilho

Pizzato Merlot de Merlots 2016

  • Serra Gaúcha, RS
  • R$ 85 (preço médio) | pizzato.net

Outra empresa em que a Merlot ajudou a construir a história – vinho elaborado em todas as safras desde 1999. Aqui entram as uvas das melhores parcelas do vinhedo Santa Lúcia, o mais especial da empresa.

É um Merlot delicioso, com boa estrutura e elegância, com a fruta, a acidez e os taninos em muita harmonia, e a madeira aparecendo delicadamente.

Lovara 2018 | Foto: RJ Castilho
Lovara 2018 | Foto: RJ Castilho

Lovara 2018

  • Serra Gaúcha, RS
  • R$ 48 | vinicolalovara.com.br

Uma das empresas que mais têm evoluído em qualidade nas últimas décadas, com investimentos nos vinhedos e na estrutura da adega. Os resultados começam a aparecer nos vinhos.

Caso desse Merlot da grande safra de 2018. Muito equilibrado, com harmonia entre aroma, corpo e acidez. Jovem e muito fresco. Sessenta por cento do vinho passou por barricas de carvalho francês e americano por 12 meses.

Salton Desejo 2015 | Foto: RJ Castilho
Salton Desejo 2015 | Foto: RJ Castilho

Salton Desejo 2015

  • Campanha, RS
  • R$ 80 (preço médio) | salton.com.br

Um dos clássicos da enologia brasileira. Um tinto bem elaborado, que nasceu de uvas da Serra Gaúcha e, agora, surge na Campanha. Passa 12 meses em barricas de carvalho americano e francês. O resultado é um vinho elegante, complexo, com muita fruta e frescor, e taninos bem resolvidos, finos. Uma grande prova do potencial da Merlot no Brasil e que continua envelhecendo bem.

 

Miolo Merlot Terroir 2018 | Foto: RJ Castilho
Miolo Merlot Terroir 2018 | Foto: RJ Castilho

Miolo Merlot Terroir 2018

  • Serra Gaúcha, RS
  • R$ 170,16 | miolo.com.br

A uva Merlot faz parte da história da Vinícola Miolo. Foi com essa uva que a empresa começou a ser difundida e a ganhar reconhecimento em 1989. Esse terroir nasce nos vinhedos tradicionais da empresa, e a safra 2018 tem tudo para ser uma das melhores.

Vinho ainda novo, mostra muita intensidade de aromas – o carvalho se mistura delicadamente com a fruta vermelha e as notas de chocolate – paladar gostoso, com os taninos muito finos, bom corpo e grande intensidade final. Além disso, amadureceu por 12 meses em carvalho francês.

Mostrar mais

Ricardo Castilho

Ricardo Castilho é diretor editorial de Prazeres da Mesa

Artigos relacionados

Leia também
Fechar
Botão Voltar ao topo