Destaque PrincipalNotícias

O rei da água doce

Depois de fazer sucesso nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, o festival Gosto da Amazônia chega a Brasília

Casa de Mainha | Foto: Guto Martins

Até o dia 26 de setembro os moradores de Brasília poderão participar do festival Gosto da Amazônia – o evento que ajuda a difundir o consumo do pirarucu selvagem de manejo. Os principais restaurantes e bares da cidade aderiram em massa e criaram pratos deliciosos com o peixe. Vale lembrar que o pirarucu é um dos maiores símbolos da Amazônia, podendo chegar a impressionantes 3 metros de comprimento, além de pesar até 200 quilos, o que faz dele o maior peixe de escamas de água doce do mundo. Muito consumido nos estados da região Norte do país, o peixe estava quase extinto quando, em 1996, o Ibama proibiu sua captura e comercialização no Amazonas.

 

Barbacoa | Foto: Tiago Loei
Blas | Foto: Guto Martins
Reverso | Foto: Tiago Loei
Santé 13 | Foto: Guto Martins
BSB Grill | Foto: Guto Martins
Primeiro Bar | Foto: Guto Martins
Grand Cru | Foto: Guto Martins
Bistro Croissanterie | Foto: Guto Martins
A-mano | Foto: Guto Martins
Cantucci | Foto: Guto Martins
Senac | Foto: Tiago Loei
Pinella | Foto: Guto Martins
Taypá | Foto: Guto Martins
Sagrado Mar | Foto: Guto Martins
Le Parisien | Foto: Guto Martins
Sallva Bar | Foto: Guto Martins
Mayer | Foto: Guto Martins
Ticiana Werner | Foto: Guto Martins
Atracado | Foto: Guto Martins
Superquadra Bar | Foto: Guto Martins
Lago Restaurante | Foto: Tiago Loei
Grand Bier | Foto: Guto Martins
Dom Francisco | Foto: Tiago Loei
Armazém Origens | Foto: Guto Martins

     

    Continua após o anúncio

    Foi quando, em 1999, entrou em cena o Instituto Mamirauá, que criou um sistema fantástico para o manejo do pirarucu e, o melhor, com forte engajamento das comunidades indígenas e ribeirinhas. Se não bastasse, a prática ainda protege a floresta e gera renda para as famílias. Para que tudo funcione de maneira adequada, o manejo sustentável obedece a três regras:

    • A pesca é realizada apenas no período da seca, entre setembro e novembro, respeitando o ciclo reprodutivo da espécie.
    • Só podem ser pescados pirarucus acima de 1,5 metro.
    • O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) autoriza a pesca de apenas 30% da população adulta do pirarucu em cada lago em que ocorra o manejo – ou seja, garante o crescimento progressivo da população de peixes. Vinte e dois anos depois, só há motivos para comemorar.
    Villa Cinco | Foto: Guto Martins
    Brasis | Foto: Guto Martins
    Empório Arábe | Foto: Guto Martins
    Rocks Grill | Foto: Guto Martins
    Ouriço | Foto: GutoMartins
    Confraria do Camarão | Foto: Tiago Loei
    Universal | Foto: Guto Martins
    Flor de Lótus | Foto: Guto Martins
    Authoral Cozinha | Foto: Guto Martins
    A-mano | Foto: Guto Martins
    Dolce Far Niente | Foto: Guto Martins
    Pobre Juan | Foto Rodrigo Azevedo
    Belini Pani | Foto: Guto Martins
    Rei do Camarão | Foto: Tiago Loei
    Comedoria Sazonal | Foto: Guto Martins
    Villa Tevere | Foto: Guto Martins
    Swine Bar | Foto: Guto Martins
    Sushi San | Foto: Tiago Loei
    Saveur Bistro | Foto: Guto Martins
    Olivae | Foto: Guto Martins
    Amano | Foto: Guto Martins
    Casa de Mainha | Foto: Guto Martins
    Dona Lenha | Foto: Guto Martins
    Norton | Foto: Guto Martins
    Makisan | Foto: Guto Martins
    Fuego | Foto: Guto Martins

       

      O pirarucu e outras espécies voltaram a habitar as várzeas amazônicas em abundância. Escolha o seu restaurante e aprecie pratos dos mais saborosos, com um peixe de sabor único.

      Acesse gostodaamazonia.com.br/festival e veja as casas participantes.

      Mostrar mais

      Ricardo Castilho

      Ricardo Castilho é diretor editorial de Prazeres da Mesa

      Artigos relacionados

      Botão Voltar ao topo