NotíciasReportagens

PARECIDOS, mas nem tanto

Por Stephanie Vapsys

Fotos Ricardo D’Angelo 

Com cor, aparência e formato parecidos aos do abacate, o avocado pode passar despercebido por muitos nas feiras e mercados. Os menos atentos podem pegar um avocado achando que estão comprando um abacate menor e só notarão a diferença no caixa, pois apesar de pequeno ele costuma ter um custo bem mais alto que o parente. Mas tamanho e preço não são as únicas diferenças entre os dois.

Continua após o anúncio

Para começar, não é apenas o preço do avocado que é mais salgado, o gosto também. “Acredito que o abacate tem um sabor que assemelha mais ao de frutas e por isso pode ser usado como ingrediente doce. O avocado é mais amanteigado combinando com preparos salgados. Ele tem um terroir muito específico que o abacate não tem”, diz Marisabel Woodman, chef do restaurante La Peruana, em São Paulo.

Foto Ricardo D'Angelo
Ceviche tropical

Outra diferença é o valor nutricional. O avocado tem cinco vezes menos água do que o abacate, por isso concentra mais nutrientes e é rico em vitaminas e potássio. Conhecido no universo fitness, o avocado é menos calórico que o primo e é usado no preparo das vitaminas em dietas.

As primeiras plantações de avocados nasceram no México, mas a fruta ganhou destaque no início do século XX quando começou a ser produzida em larga escala na Califórnia, Estados Unidos. Em 1975, chegou ao solo brasileiro pelas mãos do engenheiro-agrônomo Paulo Roberto Leite de Carvalho, da Fazenda Jaguacy. Depois de anos de estudos, na década de 1990, a Fazenda Jaguacy começou a produzir dois tipos de avocado, o hass e o fuerte. A safra do primeiro vai de maio a outubro, e a do segundo dura de fevereiro a junho. “O avocado hass tem um verde mais intenso, mas o sabor é quase o mesmo”, afirma Marisabel.

Foto Ricardo D'Angelo
Causa de camarão e siri

 A palta peruana

A chef peruana Marisabel Woodman  está acostumada a usar avocado em vez  de abacate
A chef peruana Marisabel Woodman
está acostumada a usar avocado em vez
de abacate

Nos últimos anos, o Peru vem se destacando como produtor de avocado. Hoje, o país é responsável por exportar a fruta para 26 países. Segundo a Associação de Exportadores do Peru, a Adex, a exportação de avocado entre os meses de janeiro a novembro de 2016 teve um aumento de 45,7% em relação ao mesmo período de 2015. Esse é o quarto ano consecutivo de crescimento.

Natural do Peru, Marisabel Woodman conta que a fruta faz parte do dia a dia dos peruanos. “O avocado é muito comum lá. Nós o comemos em quase todas as refeições. No café da manhã, com pão, sal e limão. No almoço, consumimos muito em saladas ou no ceviche”, diz. Fã da fruta, a chef tenta usar o avocado em vez de abacate sempre que possível, mas sofre na hora de comprá-lo. “Tudo o que é salgado vai melhor com o avocado, mas muitas vezes tenho de usar abacate porque não encontro avocado maduro. Não sei o que acontece aqui no Brasil, porque compro a fruta e, passam 15 dias, ela ainda não amadureceu.”

Foto Ricardo D'Angelo
Ceviche tropical

Chamado de palta no Peru, a fruta é usada em receitas tradicionais do país. “Hoje existe uma cultura de bar, mas antes isso não existia. Nós nos reuníamos na casa dos amigos e comíamos uns pasteizinhos de queijo com purê de avocado antes de ir para a balada. Outra receita comum é o sanduíche triple, um lanche que comemos muito no Peru. Ele tem três camadas de recheio: avocado, tomate e ovo.”

Para Prazeres da Mesa, Marisabel preparou quatro receitas para aproveitar o melhor da fruta: ceviche apaltado com peixe branco; ceviche tropical com atum e molho shoyu; causa de camarão e siri; e spaghetti em molho de avocado. Depois de provar as receitas e apreciar o melhor da fruta, não tem mais desculpas para confundi-lo com abacate.

Foto Ricardo D'Angelo
Spaguetti em molho de avocado

Mostrar mais

Stephanie Vapsys

Foi vendendo cupcakes na feira de empreendedorismo da escola, aos 15 anos, que Stephanie Vapsys se encantou pela confeiteira e, posteriormente, pela gastronomia. A jovem que nunca recusa um docinho ou um convite para jantar, decidiu cursar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero por ser fã de literatura e fascinada por contar boas histórias. Desde 2015, na redação de Prazeres da Mesa, a repórter teve a oportunidade de conviver diariamente com sua grande paixão. Depois de grandes contribuições, partiu para novos desafios no início de 2020, deixando a equipe de Prazeres da Mesa.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo