Destaque PrincipalReportagensVinhos

Picadinho rima com vinho?

Picadinho, ou picadinho de carne – para quem prefere a receita com nome e sobrenome –, ganhou popularidade nas mesas do eixo Rio-São Paulo e, além de seu fácil preparo e resultado reconfortante, mostra vocação para ter como escolta vinho tinto 

Embora a receita de picadinho tenha origem humilde, uma vez que na era medieval as carnes menos “nobres” eram destinadas aos servos, que as picavam em pedaços pequenos para conseguir maior rendimento e maciez, a versão que vemos hoje pode ser dos mais nobres cortes bovinos, como o filé-mignon. E é provável, portanto, que a receita tenha chegado aqui, à Terra de Santa Cruz, por mãos portuguesas que ostentam prato homônimo na Ilha da Madeira (ponto de parada antes das naus cruzarem o Atlântico).

Além disso, sua difusão ocorreu na década de 1950, no cenário boêmio de São Paulo e Rio de Janeiro (não convém entrar aqui nos meandros dessa disputa), compreensível pelo rápido preparo, o calor e a sustança, sem esquecer o principal, seu sabor. Os pequenos pedaços de carne, selados na chapa, ganham superfície caramelizada muito maior que no formato tradicional de steak, liberando para o caldo todos os sabores gerados – hoje, a bem conhecida reação de Maillard. Um dos troféus do picadinho é dividir com o tradicional virado à paulista a opção de prato feito (PF) nas segundas-feiras, com a responsabilidade de trazer algum conforto ao início da semana dos trabalhadores.

Já que hoje conseguimos dedicar um tempo extra para cozinhar em casa, o picadinho tem vantagem extra de utilizar apenas uma panela. E por que não incrementar a receita com uma taça de vinho? Claro que a primeira opção está no grupo dos tintos, uma vez que a receita leva um pouco de vinho tinto (ao menos, nesta versão) e alguns ingredientes que lhe dão complexidade, como o salsão, o bacon e o molho inglês. Sabores complexos de um lado, melhor atacar com simplicidade do outro. Essa foi a chave para os melhores resultados. Vinhos teoricamente simples, mas com boa intensidade e estrutura sobressaíram. Nessa prova colocamos diversos estilos de tintos para comprovar que, embora tintos e carne vermelha formem par certeiro, alguns mostram desenvoltura maior; confira.

Continua após o anúncio

Picadinho

2 porções 

  • 400 g de alcatra picada em tiras altas (1cm x 2cm)
  • 40 g de bacon cortado em tiras finas
  • 200 ml de água
  • 1 colher (sopa) de molho inglês
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • 2 tomates médios, sem pele e semente, cortado em cubos pequenos
  • 1 cebola pequena cortada em tiras finas
  • 1 talo de salsão cortado em brunoise
  • 70 ml de vinho tinto
  • 1 dente de alho picado
  • Sal e pimenta preta a gosto
  • Farofa de farinha de mandioca tostada, com cebola e alho tostados a gosto

1 Tempere a carne com sal e pimenta e sele os pedaços em uma frigideira funda, aquecida com o azeite. Retire a carne e reserve. 2 Na mesma frigideira, coloque o bacon, a cebola, o salsão, o alho e o tomate. Mexa bem, incorporando as raspas do fundo da panela. 3 Refogue bem até que os vegetais comecem a derreter. Adicione o vinho e deixe evaporar, por um minuto. 4 Adicione o molho inglês e a água fervente. Cozinhe, até que os vegetais comecem a derreter. 5 Retorne a carne selada e cozinhe, por mais 10 minutos. 6 Por fim, sirva com farofa de farinha de mandioca tostada, com cebola e alho tostados.

Picadinho e vinho Fotos: Marcel Miwa

Falernia Reserva Syrah 2015

  • Elqui, Chile | R$ 81,75 – Premium
  •  91 pontos

A vinícola foi uma das primeiras a explorar a região de Elqui, extremo norte do Chile, próximo ao Deserto de Atacama. Na taça, frutas vermelhas maduras (morango, cereja e framboesa), com bala de leite, pimenta vermelha, cravo e canela. Na boca, os anos de garrafa fizeram bem e o vinho mostra ótima integração e fluidez. Os 14% de álcool não se notam; há boa estrutura com taninos finos e bem amalgamados, além de ótima combinação ácido-salgada, que deixa o vinho vibrante. Final com tabaco e frutas vermelhas cristalizadas.

A combinação: ★★★★★

O grande equilíbrio do vinho é uma vantagem por apresentar a mesma intensidade do picadinho. Houve conexão exemplar, sem arestas nem sobras. A fruta contida funciona como complemento para o molho da carne e os taninos e a acidez levantam a expressão da dupla.

Château La Mondette 2016

  • Castillon – Bordeaux, França | R$ 104,61 – Adega Alentejana
  • 90 pontos

A expressão clássica de Bordeaux, contida na intensidade dos aromas, mas com boa complexidade de notas. Frutas negras e vermelhas maduras (82% Merlot e 18% Cabernet Sauvignon), cedro e especiarias (canela e páprica). Na boca, segue o estilo clássico, com taninos firmes e com certa austeridade, ótima acidez, álcool bem casado e final bastante especiado, com couro e terra.

A combinação: ★★★★★

O rótulo funciona como molho para vinho, o que significa que possuem a mesma intensidade. Os taninos que, sozinhos, podem parecer duros, com o prato se tornam aveludados e equiparam as estruturas dos dois lados. Vale o mesmo com as especiarias que passam a fazer parte de um todo e temperam a combinação, que é ótima, ambos foram valorizados.

Clos des Fous pour Ma Gueule Pinot Noir 2015

  • Itata, Chile | R$ 97 – World Wine
  • 90 pontos

O enólogo François Massoc conhece como poucos a arte de vinificar a Pinot Noir e, mesmo neste vinho teoricamente simples, a expressão é interessante. Frutas negras frescas, flores, ervas frescas, mentol e toque terroso. O ataque é fluido e delicado, como se espera da casta, com fruta ainda mais fresca na boca e toque de especiarias. No final, nota-se leve calor e taninos finos, com vigor um pouco acima do conjunto. É recomendada uma passagem pelo decanter.

A combinação: ★★★★

A acidez do vinho fica em primeiro plano e facilita a combinação, pois dá leveza à combinação. Apesar de as frutas perderem um pouco de sua intensidade, abre-se um lado cítrico na boca e os taninos são bem domados pela carne, arredondando essa aresta do vinho. Apenas o toque alcoólico no final o separou da excelência.

Finca Agostino Inicio Cabernet Franc 2017

  • Mendoza, Argentina | R$ 106 – Wine Lovers
  • 87 pontos

Nariz simples, mas com boa tipicidade da casta. Frutas negras maduras e em compota, com pimentão defumado e baunilha. Na boca é untuoso, com boa estrutura, mais fruta negra em compota e taninos finos com leve rusticidade final. A acidez é suficiente para equilibrar o conjunto e o final tem notas terrosas ao lado da fruta.

A combinação:  ★★★★

O prato conseguiu dar um upgrade ao vinho, sem ofuscá-lo. A doçura da fruta em compota foi atenuada, sem apagá-lo, deixando o vinho mais fácil de beber. Os taninos com pequenas arestas também foram domados e se integraram ao molho da carne. Boa combinação, em que ambos foram valorizados.

Kaiken Estate Malbec 2018

  • Mendoza, Argentina | R$ 86,29 – Qualimpor
  • 91 pontos

Projeto da família Montes (Chile), em Mendoza. A Malbec aqui ganha expressão que apenas se costuma ver em linhas superiores. Nariz floral, com violeta e ameixa preta fresca, com leve terroso e toffee. Bastante limpo e preciso. A textura tem boa fluidez, ajudada pelo ótimo frescor e a trama de taninos muito finos aporta estrutura no ponto certo, sem ofuscar a delicadeza da proposta, ser elegante e sem a maquiagem de Malbec. Final com toque de alecrim.

A combinação:  ★★★

Assim como no caso da Pinot Noir, a combinação reforça a acidez no primeiro plano. Por outro lado, o aroma floral não casa bem com o prato e domina o conjunto. A delicadeza do vinho também é ofuscada pelo prato, restando apenas a acidez como elo de ligação.

Vinhos da rodada de harmonização com o picadinho
Vinhos da rodada de harmonização com o picadinho

Vallontano Tannat Reserva 2014

  • Vale dos Vinhedos, Brasil | R$ 78,50 – Mistral
  • 89 pontos

Uma das pequenas e consistentes vinícolas do Vale dos Vinhedos. Este Tannat tem boa intensidade aromática com frutas vermelhas maduras, cacau, amêndoa e coco tostados. Certa evolução na garrafa fez bem ao vinho, com ótima integração do álcool, e taninos que se percebem em grande quantidade e muito polidos, dando sensação aveludada. O frescor está presente e não indica nenhum cansaço do vinho. Final com cravo e couro.

A combinação:  ★★★

Boa parceria criada pela conexão do lado animal (couro, embutidos curados) do vinho e a carne com o toque de bacon. A acidez e as notas de especiarias mantêm o vinho vivo na boca, mas a fruta é dominada pelo molho e perde a intensidade. Além disso, taninos e acidez se integram ao caldo do picadinho, faltando apenas o suporte da fruta.

Alves Vieira Tinto Alentejano 2018

  • Alentejo, Portugal | R$ 84 – La Pastina
  • 88 pontos

Nariz exuberante com muitas flores e cereja madura. Bastante limpo, aromático, com estrutura leve e taninos discretos. Feito com Trincadeira, Touriga Nacional e Alicante Bouschet – as duas primeiras dominam o conjunto pela leveza e as notas florais e de especiarias. Nada da potência dos clássicos alentejanos.

A combinação:  ★★

A potência dos aromas dominam a interação com o picadinho e, apesar de não causar incômodo, cada um segue seu caminho de forma isolada, com os aromas dominados pelo vinho e os sabores pela receita. Um caso de vinho que acompanha o prato, mas não harmoniza.

Jacob’s Creek Classic Shiraz 2018

  • South Eastern Australia, Austrália | R$ 66,90 – Casa Flora
  • 87 pontos

A marca lançada em 1976 é um clássico australiano. No nariz, traz boa concentração de frutas negras maduras (cereja e mirtilo) com baunilha, cacau e pimenta-preta. O álcool está muito bem casado no conjunto leve, em que taninos e acidez são discretos, e há leve doçura. Ademais, é linear do começo ao fim, com mais tostados no final.

A combinação: ★★

Embora as notas tostadas do vinho e de pimenta-preta combinem de forma interessante, a fruta é ofuscada pelo picadinho, da mesma forma que a estrutura muito redonda e leve é encoberta pelo prato. No entanto, apenas um ponto de conexão (tostado) não foi suficiente para fazer brilhar um dos lados.

Mostrar mais

Marcel Miwa

Especialista em serviço de vinhos pelo Senac-SP e jurado em diversos concursos internacionais de vinhos, desde 2015 Marcel Miwa está à frente do caderno de vinhos de Prazeres da Mesa.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo